O regime russo virou “progressista”?

Por Centro de Imprensa do Comitê Central do Partido Comunista Operário Russo, traduzido por Odilan Belinski

O mundo observa com preocupação o agravamento extremo das relações entre a Federação Russa e os países ocidentais, principalmente os Estados Unidos e os membros da OTAN. O PCOR apoiou o reconhecimento das Repúblicas de Donbass e a supressão do fascismo pelas forças armadas da Rússia e as milícias de Donbass. A esse respeito, muitos de nossos camaradas estrangeiros estão fazendo a pergunta: é possível ver Putin e a Federação Russa como uma força anti-imperialista, protegendo os trabalhadores de nazistas e fascistas desenfreados?

Em resposta a tais perguntas, o Centro de Imprensa do Comitê Central da PCOR está autorizado a declarar: tal visão é errônea. O fato de que as autoridades russas, protegendo os interesses de seu imperialismo, estejam fazendo um trabalho positivo de reprimir os repressores fascistas no Donbass e na Ucrânia (o que é do interesse dos trabalhadores) não as torna progressistas. A Federação Russa segue uma política interna e externa inequivocamente reacionária. Prova disso é o massacre pelo regime, em 6 de janeiro de 2022, contra os participantes do piquete em Moscou em apoio à luta dos trabalhadores do Cazaquistão.

Um pequeno piquete pacífico (cerca de 20-30 pessoas) de forças de esquerda, perto da embaixada cazaque, com cartazes e palavras de ordem “Trabalhadores do Cazaquistão e da Rússia – uni-vos! Vamos reviver a URSS!”, “Direitos não são dados! Direitos são tomados!” foi severamente reprimido pela polícia. Mais de dez pessoas foram presas por esses “guardiões da ordem” (burguesa, hostis às pessoas da “ordem” operária) e levadas para os distritos policiais. Todos eles lavraram boletins de ocorrência sobre violação das regras de realização de eventos públicos, e todos os casos foram encaminhados ao tribunal. Alexander Zimbovsky, jornalista e redator dos jornais Trudovaya Rossiya, Pravda, Sovetskaya Rossiya e outros, foi o primeiro a ser condenado a 15 dias de prisão. Aos demais, imediatamente, sem qualquer direito de defesa, receberam multas. Em 16 e 17 de fevereiro, os tribunais mundiais condenaram os membros do Comitê Central do Partido Comunista Operário Russo, Natalya Glagoleva e Alexander Nikolaev, a multas de 10 e 15 mil rublos [R$570 e R$805], respectivamente. Liderando piquetes de domingo no monumento a Marx, Elmar Rustamov foi multado em 20 mil rublos [R$1140]. I. Solovyov por segurar um cartaz com palavras de solidariedade com os trabalhadores do Cazaquistão recebeu o mesmo – 20 mil de multa e, para pronunciar tal sentença, o juiz “avaliou” por apenas dois minutos. Larisa Anufriyeva, de Trudovaya Rossiya não pôde comparecer ao tribunal, mas deu na mesma – 10 mil rublos de multa.

Essa é a “democracia” burguesa na Rússia, e essa é a “justiça”. Portanto, não tome as palavras de Putin ao pé da letra, mesmo que ele denuncie com razão as políticas hipócritas dos Estados Unidos, da Ucrânia nazista e dos países da OTAN – que o presidente russo inscreveu no “império da mentira”. Ele mesmo vem do mesmo império, e é exatamente o mesmo hipócrita. Todos vimos como, quase instantaneamente, o regime de Putin deu apoio à burguesia do Cazaquistão, que pressentiu o perigo, que levou o povo ao extremo grau de indignação. A organização militar OTSC (Organização do Tratado de Segurança Coletiva), controlada pela Rússia, deslocou tropas para o território do Cazaquistão, o que libertou as mãos das agências policiais locais para reprimir revoltas populares.

E na própria Rússia, os participantes dos piquetes pacíficos de solidariedade com a classe trabalhadora do Cazaquistão foram imediatamente submetidos à repressão. Até agora, o descontentamento do povo foi reprimido com multas – mas não há dúvida de que, se necessário, esses senhores também recorrerão a balas.


Veja mais sobre a posição do Partido Comunista Operário Russo no site dos camaradas

[…] E que ocasião maravilhosa é esta para a histeria militar, que agora é criada em todo o mundo! Agora toda a burguesia do mundo pode, sem qualquer hesitação, preparar-se abertamente para a Terceira Guerra Mundial. […]

A primeira e mais importante coisa é exigir que as reivindicações contra o regime de Kiev por parte da Rússia sejam expressas de forma clara, clara e em voz alta. Todas as negociações devem ser transmitidas para que todos possam ver como e o que está sendo discutido. O mesmo se aplica a todas as negociações entre a Rússia e os EUA, a OTAN e a UE, que são dedicadas à guerra. Não às negociações nos bastidores pelas costas dos povos!

A segunda é exigir que a Rússia anuncie seus planos políticos e militares com clareza, sem omissões ou ambiguidades. Não deve haver guerra por causa de objetivos incompreensíveis e duvidosos!

E somente quando os pontos anteriores forem concluídos, podemos decidir se realmente existem pelo menos alguns objetivos certos nesta guerra. Esta guerra pode realmente trazer paz ao Donbass? Esta guerra pode realmente terminar com a desnazificação da Ucrânia? Só neste caso é possível discutir se apoia ou não a ação militar. Enquanto isso, tudo isso não existe, não temos nada para discutir e não temos outras opções a não ser ser contra a guerra e contra ela somente. Sim, todos nós realmente queremos que a paz chegue ao Donbass. Sim, todos nós realmente queremos que o fascismo não domine a Ucrânia. Mas, infelizmente, até agora tudo indica que a guerra está sendo travada com objetivos completamente diferentes. Portanto, temos que repetir o que os bolcheviques repetiram há mais de 100 anos. Sem guerras imperialistas sujas!

E no final, vou enfatizar especialmente que, no atual momento, não se pode simplesmente ser contra a guerra. É necessário explicar por que os objetivos anunciados da guerra não podem ser cumpridos e por que os verdadeiros objetivos são completamente diferentes. É necessário explicar em fatos concretos sobre por que a guerra não está sendo travada dessa maneira e não levará ao que as autoridades russas declaram. E se você for, agora, simplesmente contra a guerra por algumas considerações gerais anti-guerra, então é o mesmo que agora apenas ficar do lado dos fascistas ucranianos. E não importa quantas vezes você se repita acerca do anti-imperialismo: isso não é suficiente. Pelo menos do ponto de vista dos leigos, será insuficiente. Isso significa que nossa palavra de ordem final deveria ser esta, agora: Primeiro, uma bandeira vermelha sobre o Kremlin, e só depois sobre Kiev! Nada funcionará na ordem inversa!

[…]

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pocket

Deixe um comentário