Etiqueta: György Lukács

Tática e guerra

Por György Lukács [1] [2], traduzido[3] por Caique de Oliveira Sobreira Cruz[4] e Manassés de Jesus Santos Júnior[5]. Na ação política, a posição e o significado da tática diferem muito, em todos os partidos e classes, de acordo com a estrutura e o papel histórico-filosófico particular desses partidos e classes: se definirmos a tática como

Leia mais »

Poema à Bessa: transformação, reconhecimento e incômodo da poesia popular

Por Wescley Pinheiro*  “Ser poeta é mais práxis que identidade. Arte é unidade, ação e reflexão, exercício e comunicação do sensível, síntese nada divisível de forma e conteúdo. Bessa é poeta por escrever poemas, por ser lido e, sobretudo, por ser assim reconhecido pelas pessoas que são atingidas por sua arte.” No último mês de

Leia mais »

A querela da formação analítica na década de 2020: a psicanálise como aberração no Brasil da normalidade absurda

Por Rodrigo Alencar, via medium.com Em 1919, quando a Europa se via diante dos destroços da guerra, a República Soviética Húngara se apresentou como uma possibilidade para expansão da psicanálise. A apresentação transcrita como “caminhos da terapia psicanalítica[1]”, feita por Freud, vinha justamente flertar com a ascensão da Revolução Soviética, ao mesmo tempo que marcava

Leia mais »

Breves reflexões sobre a tomada do poder nazifascista e suas representações

Por Eros Viana de Lima Penha O objetivo deste artigo é explorar de forma concisa, sem grandes pretensões, alguns dos elementos sociais, políticos e econômicos que tornaram concretas as possibilidades da ascensão nazista na Alemanha em específico, o nazifascismo em geral, levando em conta, principalmente, alguns dos elementos preteridos por uma tradição historiográfica (Sobretudo da

Leia mais »

Sobre a responsabilidade dos intelectuais

Por György Lukács, via gyorgylukacs.wordpress.com, traduzido por Bruno Bianchi Escrito em 1948. Durante a Segunda Guerra Mundial, muitos esperavam que a destruição do regime hitleriano também erradicasse a ideologia fascista. Mas o que tem sido visto desde o fim da guerra em diante na Alemanha Ocidental indica que a reação anglo-saxônica até mesmo salvou e

Leia mais »

O dilema atual da participação social e o Brasil

Por André Márcio Neves Soares O documentário chamado “O dilema das redes sociais”, exibido pela Netflix, é emblemático para a realidade brasileira por dois motivos: 1) a sensação do aumento de inclusão e participação social com o progresso da tecnologia de entretenimento virtual é uma fantasia;  e 2) o Brasil, como um país periférico, com

Leia mais »

Breves considerações sobre a metafísica ontologia de Lukács

Por Arthur D’Elia “Por conseguinte, em um texto chamado A natureza da metafísica, Lowe afirma que a metafísica tem como preocupação descobrir o que podia a totalidade da existência abranger. De modo a complementar, em A possibilidade da metafísica, ele fala em “estudo da estrutura mais fundamental da realidade”. Já no verbete de Stanford aparece

Leia mais »

O Fascismo Alemão e Hegel

Por Georg Lukács, originalmente em Schicksalswende, [Pontos de virada do destino] Aufbau Verlag, Berlin, 1956, traduzido por Marie Farines Esse texto é tradução do ensaio de Georg Lukács: Der deutsche Faschismus und Hegel (1943). Ele ocupa as páginas 29 à 49 da coletânea: Georg Lukács, Schicksalswende, [Pontos de virada do destino] Aufbau Verlag, Berlin, 1956.

Leia mais »